terça-feira, 22 de agosto de 2017

Você já pensou em ter uma profissão “mão na massa”?

Financeiramente ter uma segunda profissão pode ser muito vantajoso. Quando se diz ter uma segunda profissão, isso não significa ter a carteira assinada em dois locais diferentes. Significa que além de seu emprego regular, você possui as habilidades necessárias para ter condições de realizar, sempre que desejar, um trabalho profissional, mesmo que seja numa área que não está correlacionada com o que você normalmente faz.

É importante que estas habilidades e competências sejam de nível profissional. Por exemplo, em relação a profissão de eletricista, não falamos de um mero trocador de tomadas ou um instalador de ventilador de teto. Falamos em uma pessoa que possui plenas condições de realizar a completa instalação elétrica de uma casa, seguindo todas as especificações técnicas e normas de segurança. Sobre um serviço de confeitaria, você deve ter condições de fazer um bolo de casamento de cinco andares. Ou seja, você deve ter as habilidades necessárias para fazer profissionalmente um serviço que as pessoas precisam (e pagam bem por isso).

Seria interessante que a sua área de atuação esteja em um campo do qual você não precise necessariamente estar empregado em uma empresa para exercê-la. Para isso, normalmente a profissão deverá ser aquela no qual você põe a “mão na massa”, como por exemplo costureiro, carpinteiro e instalador de refrigeração. Além disso, não basta ser um trabalho físico. Este precisa ser do tipo que você pode comprar os equipamentos necessários para executar o serviço em sua casa e/ou na casa do cliente. Por exemplo, um operador de empilhadeira não se enquadraria nesse perfil.

Ter uma especialidade “mão na massa” possui uma série de vantagens.

A primeira é utilizar seus conhecimentos como uma segunda fonte de renda extra. É incrível como o mercado está cheio de profissionais de má qualidade. Por incrível que pareça, o diferencial de um profissional não é possuir uma característica peculiar como trabalhar de terno, oferecer brindes, ter um preço bem baixo, etc, mas sim aquele que faz o básico que todo profissional deveria fazer: chegar no horário, fazer o serviço no prazo, não enrolar, transmitir informações com segurança, entregar o serviço conforme o combinado. Mesmo você tendo pouca experiência, ao fazer as coisas corretamente e em ordem, é possível competir com pessoas que estão há muito tempo no mesmo ramo.

Pode acontecer também de você se tornar um profissional tão requisitado que essa sua segunda fonte de renda passe a ser sua primeira. Você é um profissional que possui uma rede de clientes que permite com que você nem precise correr atrás de serviços, pois eles sempre chegam a você.

Além disso, algumas profissões permitem que você crie um produto e o replique, o que pode ser o início de uma indústria (muitas grandes marcas de hoje começaram com alguém fazendo um produto na garagem ou na cozinha). Você poderia ser um serralheiro que criou uma churrasqueira com espaçamento para colocar uma grelha, espetos e talheres, a um custo não muito alto. Nem precisa ser tão rebuscado assim. Poderia ser uma replicação de biscoitos ou sorvetes. Há muitas ideias que podem ser criadas com um investimento baixo comparado com o retorno potencial.

Além disso, há a satisfação pessoal. Serviços braçais, quando feitos por quem gosta do ramo, além de poderem ser uma fonte de renda, podem ser uma espécie de terapia e é bom para a auto estima ao ver um serviço de qualidade feito por você. É legal também quando você faz um serviço e as pessoas fazem elogios por algo que você gosta de fazer.

Há inúmeras especialidades que podem ser feitas e muitas delas são daquele tipo de curso que se encontra nas escolas tipo SENAI/SENAC. Dentre eles estão o de barbeiro, cabeleireiro, carpinteiro, confeiteiro, costureiro, eletricista, eletricista de autos, fotógrafo, instalador de refrigeração, marceneiro, padeiro, pintor, pintor de automóveis, serralheiro, e muito mais. Há muita coisa para ser feita por aí e que dá dinheiro. Já teve curiosidade em saber o que é e como se instala um revestimento vinílico, um drywall ou um porcelanato líquido? Já pesquisou sobre confecção de bijuterias? Há uma infinidade de áreas, basta querer procurar.

Na hora de pesquisar qual sua especialização e onde se especializar, procure fazer as coisas direito. Não vale a pena ser mão de vaca e querer aprender a fazer as coisas sem investir nos equipamentos corretos. É improvável que você se sairá um bom profissional vendo vídeos de Youtube. Tem que fazer o bolso cantar para se destacar profissionalmente. Mesmo gastando, normalmente em poucos serviços você recupera todo o investimento realizado.

Para concluir, é interessante que você pesquisar sobre uma profissão “mão na massa” que você se identifique. O investimento pode parecer alto para algumas pessoas, mas a abertura de oportunidades que podem surgir com sua nova especialização é recompensadora, além de melhorar sua autoestima ao saber que você consegue executar profissionalmente algo além de seu regular serviço administrativo.


Gostou da postagem? Deixe seu comentário.

29 comentários:

  1. Muito bem observado. Realmente sempre é bom ter um plano B para tudo.

    ResponderExcluir
  2. Olá ADP!

    Muito legal seu post! Eu comentei em alguns blogs que pretendo fazer reparos em automóveis. Como gosto bastante de carros, e também gosto de "fuçar", acredito ser uma área que me darei bem.

    Abraços! Se puder dê um pulo em meu blog!

    ResponderExcluir
  3. Oi, AdP. Muito legal seu post. Sempre tive vontade de fazer algo assim. Só que não tenho nenhuma habilidade que aprendi na infância ou foi repassada pelos meus pais. Você acha que cursos do tipo SENAI/SENAC podem ajudar a aprender algo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sou o AdP, mas vou tomar a liberdade de responder.

      Sim, cursos do Senai/Senac podem abrir o leque de opções e chamar a atenção para alguma área ou profissão que você ainda não conheça
      Mas tanto o Senai quanto o Senac oferecem uma quantidade muito grande de cursos, muitas vezes em unidades diferentes. Portanto sua escolha pode depender também de onde você mora.
      Pesquise no sites dessas instituições os cursos disponíveis e em quais unidades eles são ministrados.
      O Senai tem ou tinha algumas exigências para alguns cursos. Exemplo: você teria que ter conhecimentos básicos em informática para fazer um curso de uma determinada linguagem de programação. Assim o caminho para se especializar em algo pode ser mais longo que alguns meses.

      Não sei sua idade, mas provavelmente você deve ter algum tema, assunto que lhe interesse, as vezes é só parar pra pensar ou dar uma pesuizada que você pode encontrar algum nicho para se desenvolver.

      Excluir
    2. Toda turma tem sempre aquele que já trabalha na área e aqueles que mal sabem a diferença entre prego e parafuso. No final do cursos os alunos estão aptos a correrem com as próprias pernas.
      Abraços

      Excluir
  4. Essas coisas que queria falar para os leitores dos blogs como o antigo Pobretão da Vida Ruim, mas os caras só sabem chorar por não terem nascidos ricos e não terem mulheres, ótima postagem AdP.

    Abraço do Norte e Boa Sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficar reclamando e culpando os outros não leva a lugar nenhum.

      Excluir
  5. Fala ADP,

    Sim, achei “massa” a postagem.

    Fora o trocadilho ridículo, é uma tecla importante: Fonte extra = Aporte maior.

    O próprio Uber pode ser considerado uma profissão “mão na massa”, pois, tirando a falta de segurança, quem se aventura no Uber consegue uma grana extra (não recomendo, apenas citando um caso).

    Profissionais “Mão na Massa” crescem mais no “boca a boca”, ou seja, faz um serviço bom aqui, a pessoa (cliente) indica para outros e assim começa.

    Acho que vale a pena sim buscar fontes extras.

    Abração

    ResponderExcluir
  6. Dá até uma vergonha, porque eu tenho um bom conhecimento em eletrônica e programação e até poderia estar tocando um negócio próprio na área.

    De vez em quando faço uns bicos trocando tela de celular pra amigos e conhecidos. É um serviço extremamente fácil pra quem sabe fazer, tem muito valor agregado e com demanda extremamente alta.

    Meu foco no momento está em terminar a faculdade, mas já penso em coisas pra fazer depois que ter mais tempo livre...

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem muito serviço "mão na massa" por aí que paga mais do que engravatado. Dê uma pesquisada.
      Abraços

      Excluir
  7. Mais um item pra minha lista pós-IF

    ResponderExcluir
  8. Eu sei lavar a louça e passar camisas, mas não muito além disso... Vou seguir o conselho da ex-presidenta e fazer um curso do Pronatec.

    ResponderExcluir
  9. Excelente texto AdP.
    Por hora, minha atividade extra é ministrar aulas. Por incrível que pareça, sempre há demanda nesse mercado. Trabalhar corretamente, cumprir horário e (pasme) tirar dúvidas "extra-aula" dos alunos é um baita diferencial.

    Abc

    ResponderExcluir
  10. AdP você adicionará o Bitcoin Cash em sua carteira? Já que é uma grana "grátis", eu particularmente não sei o que fazer com a moeda e não quero tirar ou mexer na minha reserva para hold.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu to por fora disso aí. Eu tenho direito a esse Bitcoin Cash? Como proceder?
      Abraços

      Excluir
  11. Alguém sabe o que aconteceu com a GI?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Descobriram o verdadeiro nome dela: Washington.

      Ai "ela" fechou o blog.

      Risos

      Excluir
  12. Interessante ter uma segunda profissão para ter uma renda extra, é ótimo para os investimentos

    Abraço e bons investimentos

    ResponderExcluir
  13. Por falta de tempo hoje não cogito essa hipótese, pois acabo dedicando o tempo que sobra do dia para estudar sobre investimentos. Mas é uma boa opção quando atingir a IF e descobrir novas habilidades. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre sobra um tempinho, nem que seja a noite ou final de semana.
      Abraços

      Excluir
  14. Fala AdP,

    Acho que atualmente dois fatures diferenciam um profissional "mao na massa" dos demais, primeiro é ser bom, pois quando voce é bom, as pessoas irão pagar mais para ter um ótimo serviço. E o segundo fator é honrar a palavra, seja tempo e orçamento. O que tem de gente que enrola pra fazer serviços (diz que faz em 2 semanas e leva 2 meses) e sempre estoura deadline e orçamento é de lascar.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou seja, fazer o mínimo que deveria ser feito é o diferencial e as pessoas estão até dispostas a pagar a mais por isso.
      Abraços

      Excluir
  15. Excelente postagem ADP

    Vez ou outra eu me pego pensando em fazer algo pois como trabalho em horários de escalas muitas vezes fico com o dia ocioso e isso vem me pertubando pois tenho vontade de fazer algum trabalho manual que me gere uma segunda fonte de renda + satisfação mas me frusto por não saber o que fazer.

    Já pensei em várias coisas, até em fabricar bijuterias com voce tão bem citou. Mas isso fico só na minha mente e não sai do papel. Eu imagino que meu cérebro esteja procurando até hoje alguma atividade que me de esse prazer mas que por não ter ainda encontrado fica neste estado de paralisia.

    ResponderExcluir
  16. Sempre pensei.

    Mas como sempre fui um burro pra qualquer serviço mão na massa, penso que não é pra mim. Não sei bater um prego na parede, instalar ou arrumar um chuveiro, desentupir um cano, instalar uma tomada, nada.

    Quando era pequeno morava na roça e sempre meu pai me chamava pra ajudá-lo em todas as tarefas possíveis. Mas não sabia ensinar nada, tudo era na base do xingamento e porrada, cresci um cagão que tem medo de mexer em qualquer coisa. Cheguei a fazer mecânica no Senai, mas não compreendia quase nada do que o professor passava, sempre ficava pra trás nas tarefas.

    Pra sair da vida que eu tinha, botei na cabeça que ia estudar o quanto fosse necessário pra sair daquele lugar. Mudei pra cidade, sempre tirei ótimas notas e fui um bom e educado aluno. Trabalho em um serviço administrativo que não me dá muita satisfação nem um bom salário, mas uma grande frustração da minha vida é não ter esse "paranauê" de pegar algo e consertar, ser um fuçador, enfim...Nem que não fosse pra trabalhar pros outros, mas sim pra fazer qualquer reparo quando morar sozinho ou casar.

    ResponderExcluir
  17. Outro dia fui com colegas do trabalho em um restaurante comer uma moqueca mista (peixe e camarão) que um dos colegas havia indicado. Chegamos 11:30 e o restaurante já estava cheio. Encheu de ficar fila do lado de fora. A comida tava uma delícia. Conversando com os garçons ficamos sabendo que o dono do restaurante é servidor público, trabalha num tribunal e sempre gostou de cozinhar. Juntou uma grana e abriu o restaurante.
    O restaurante tá ficando famoso.
    Deve tá tirando uma grana. Uma habilidade tão pouco valorizada, cozinhar, pode ser uma boa oportunidade.

    ResponderExcluir
  18. Senhores, primeiramente peço desculpas por utilizar esse canal para explicar que tive imprevistos quanto ao blog, haja vista que este foi suspenso temporariamente em decorrência de comentários ofensivos de anônimos que estão buscando desativar nosso reduto.

    Segundo, agradeço a colaboração e a presença de todos vocês e solicito encarecidamente que divulguem essa notícia.

    Estou buscando solucionar esse imprevisto. Desculpe o transtorno.

    ResponderExcluir
  19. Betas, temporariamente estaremos direcionando nosso reduto para o seguinte endereço:

    https://opobre-diabo.blogspot.com.br/


    Espero vocês lá!

    Abraços diabísticos!!!

    ResponderExcluir
  20. Antes de mais nada queria lhe parabenizar por esse belo artigo, conteúdo extremamente relevante e de grande valor, muito obrigado por compartilhar conosco.

    Forte abraço e muito obrigado !

    ResponderExcluir

Anônimos, contribuem e deixem um nome para que seja possível outras pessoas fazerem referências, estabelecendo melhor a troca de ideias. Educação é sempre bem vista.
Mensagens de trolls serão moderadas.